Todo bar tem clientes estranhos, e na vida de um barman é um pedido mais maluco que o outro

Nessa vida de um barman, já ouvi muitos pedidos malucos no balcão do bares que passei , quando se trabalha no balcão do bar e lida com pessoas todos os dias, você começa a identificar os perfís de clientes que alí habitam , seja um cliente carente, aquele foodie mala ou também os que se acham entendidos na coquetelaria… ah, esses são os melhores!

Quando falamos de pedidos malucos no balcão do bar, não tem como esquecer os pedidos mais malucos…. Claro, os que vêm dos garçons!

Trabalhei por quase dois anos no restaurante Insalata, localizado nos Jardins. Na época eu era aquele conhecido bartender de caipirinha!

Nossa era tantas “Caipi Saquê Frutas Vermelhas Adç Copo Longo Coada” na comanda, eu ficava tão revoltado em ver pedidos como esse a cada 10 minutos, principalmente os que tinham mais de três frutas no mesmo copo.

Se existe nesse planeta uma pessoa que eu adoraria matar naquela época era sem dúvida o sujeito que inventou que tomar qualquer coisa alcoólica com adoçante é um pedido logico….ou quando me vinha pedidos malucos como “Caipirissima Limão Coada Taça Martini”….. Poxa, pede logo um Daiquiri então!

São alguns exemplos de como todo bartender está à mercê de cada barbaridade de pedido.

Uma situação muito engraçada que viví foi quando estive atrás do balcão do histórico Riviera Bar, no bairro da Consolação. Imagina um garçom anotando pedidos com música ao vivo, um lugar escuro e digitando em um Ipod. Era exatamente assim, apenas imagine.

Certa vez a cliente pediu um Cosmopolitan sem o licor Cointreau – feito à base de casca de laranja, e me chega no bar uma comanda com a versão da música do Joy Divison (para os fãs) de She Lost Control!!  Enfim um Cosmopolitan sem Control!’’ – ou sem Cointreau, melhor ainda. É para dar risada mesmo! Aliás, de tanto vermos esses pedidos malucos tínhamos um mural de comandas interno desse nível no bar, as vezes para rir outras para aprender.

Uma história não tao engraçada mas real aconteceu quando eu estava à frente do bar do restaurante Ici Bistrô em Higienópolis, que já existia há mais de 10 anos, alguns clientes habitués tinham o costume de fazer pedidos dos mais malucos como por exemplo uma Margarita com vodca e gelo triturado na taça e com crusta de sal, pra quem conhece, sabe que é algo como um Kamikaze (drinque à base de vodca) no Tibet comendo sal.

Outra vez a cliente veio ao bar e me pediu um Manhattan, como se fosse a maior especialista no assunto até aí tudo bem. O bar do Ici Bistro tinha sempre bebidas de alta qualidade e meu Manhattan na época era com rye whiskey e vermute Cocchi de Torino, um espetáculo de equilíbrio e respeito à versão clássica desse drinque.

Por fim a cliente me chama a mesa e diz que aquele drinque “não era um Manhattan”, pois certa vez ela havia bebido um e esse não era igual!

Vai entender, ela nem sabia que eu havia preparado a verdadeira versão do drinque para ela.

Hoje em dia sempre que o cliente me dá a liberdade de decisão, primeiro procuro identificar que tipos de coquetéis a pessoa já provou na vida e qual o paladar mais lhe agrada e sempre vou buscar trazer uma experiência nova de bom gosto unindo bom atendimento e hospitalidade.

Acredite ou não, existem aqueles clientes que querem sempre tomar a mesma coisa como, Aperol Spritz um Gin Fizz ou Negroni. Faça chuva ou faça sol, vão manter os mesmos pedidos sempre.

Coquetelaria no Brasil é algo ainda novo e é muito importante o papel do barman nesse baile todo pois estamos no fogo cruzado entre o empresário e o cliente.

Pedidos Malucos são parte do negócio, assim como nossas responsabilidades de sempre estudar, aprender e oferecer inovação é o benefício da evolução desse mercado!