Você nunca mais vai usar a pimenta de maneira errada no seu drinque

Pimenta nos olhos dos outros é refresco. Quem nunca ouviu esse jargão antes? Ironias à parte, a pimenta já deixou de ser um ingrediente exótico na coquetelaria brasileira. Hoje a pimenta se tornaou um ingrediente comum sim, tanto em drinques, refrescos e chás.

Mas ao invés de esfregarmos nos olhos daquele “amigo” indesejável, que tal perder o tempo sabendo mais sobre um dos ingredientes mais comuns da gastronomia mundial?

01 | QUAL A ORIGEM DA PIMENTA?

A pimenta é depois do sal o condimento mais utilizado do mundo. Apesar de os Europeus no século XIV já apreciarem a pimenta preta, foi na América que encontraram os indícios mais antigos de cultivo da ardidinha. Foi Cristóvão Colombo o primeiro europeu a descobrir a existência de sua grande variedade, principalmente da pimenta vermelha em uma de suas tentativas de encontrar um caminho alternativo para as Índias. Acredita-se que a pimenta teria surgido a 7.000 anos AC na região do México Central.  Após um século a pimenta já havia se espalhado por todos os continentes ganhando características próprias em cada solo.

02 | O QUE CAUSA ARDÊNCIA NA PIMENTA?

Essa maldita e deliciosa especiaria tem uma molécula chamada Capsaicina que se concentra na semente da pimenta, cujo nome completo e que vocês não querem saber é 8-metil-N-vanillil-6-nonenamida.

É possível que a Capsaicina seja um mecanismo de defesa criada pela própria natureza. Imagina você, um animalzinho silvestre e vegetariano ir babando de encontro com uma folha suculenta e verdinha com uma fruta vermelha na ponta e BAM! Sua boca começa a pegar fogo. Nunca mais você chega perto. Os mamíferos tem uma sensibilidade maior por ter um estímulo muito alto de dor e calor em relação a algumas aves, por exemplo, que comem pimentas como se fossem balas de goma. Imagina o ódio da natureza em saber que a arma dela virou um dos ingredientes mais consumidos no mundo?

03 | MAS COMO SABER O QUÃO FORTE É CADA PIMENTA?

Em 1912 um químico chamado Wilbur Scoville da indústria farmacêutica Parker Davis fez um teste para medir o nível de calor das pimentas.

O pequeno gênio misturou pimentas puras moídas com água e açúcar. Essa solução era degustada e levemente diluída aos poucos até que o líquido não queimasse mais a boca. Através da quantidade de diluição um número foi dado a cada pimenta desde a mais fraca pimenta até a raiz da semente. Esse método ficou conhecido como SHU (Scoville Heat Units) está ao lado. Esse processo é bem simples. Pegamos como exemplo o spray de pimenta usado como item de defesa pessoal que chega a atingir a marca de 2.000.000 de SHU. Ou seja, para aliviar a ardência seria necessário diluir a concentração do spray 2 milhões de vezes para aliviar a ardência. Meus olhos ficaram irritados só de escrever isso! 04 | QUAL A PIMENTA MAIS FORTE E A MAIS FRACA DO MUNDO?

A pimenta mais fraca da escala Scoville é a do tipo “Sweet Bells” que engloba o nosso querido pimentão. Até pouco tempo atrás era certo que o fruto indiano Bhut Jolokia descoberto em 2002 fosse a mais poderosa pimenta do mundo chegando a 1.041.427 SHU.

Com essa pungência já se recomenda o uso de luvas para a manipulação. Imagina então que na cidade de Morisset, cerca de 120 quilômetros ao norte de Sidney, na Austrália, foi encontrada esse ano a “Trinidad Scorpion Butch T” que chega a 1.463.000 SHU. Ai Caramba!05 | E COMO ME LIVRAR DA ARDÊNCIA DA PIMENTA NA BOCA?

Nunca beba água após comer pimenta. A água faz com que a sensação de ardência se espalhe pela boca e fique ainda pior. Bom mesmo é usufruir de derivados de leite que contém caseína que retira a capsaicina dos receptores nervosos da boca. Por isso alguns pratos picantes da culinária indiana levam iogurte no molho ou na composição.

06 | QUAIS OS PRINCIPAIS TIPOS DE PIMENTAS ENCONTRADAS NO BRASIL?

Pimenta-de-cheiro: Frequente na cozinha nordestina, seu grau de ardência varia de leve a muito picante, mas o que mais atrai nessa pimenta é o aroma forte. Dedo-de-moça : Picante, porém menos ardida do que parentes como a malagueta. Malagueta: Uma das mais picantes. É rica em licopeno, fitoquímico que dá cor vermelha aos vegetais e é um aliado contra o câncer de próstata. Habanero: Considerada a mais poderosa entre as pimentas e a que mais queima calorias. Nasceu no Caribe e no norte do México e é ideal para quem já é, digamos, iniciado. Murupi: Vinda da região Norte do Brasil, é uma das pimentas com maior teor de ardência do país. Biquinho: Tem a forma de pingo e é a mais suave de todas. Cumari: Pancada! Encontrada apenas no Brasil. De acordo com pesquisas nacionais, é uma das mais ricas em antioxidantes.

07 | COMO ESCOLHER A PIMENTA CERTA PARA O MEU COQUETEL?

Primeiro você deve entender qual o contexto da pimenta em sua receita. Aí vamos escolher sua pimenta. Os frutos vermelhos têm mais aroma e sabor do que os verdes. A parte interna da pimenta é mais ardida enquanto a pele mais saborosa. Então para obter sabor retire a pele da pimenta e para obter mais ardência utilize a placenta (aquelas veias que seguram as sementes).

Mas nunca utilize sementes em um coquetel, pois ultrapassa o nível de pungência necessária para um drinque. Para realizar xaropes, reduções e infusões com pimentas, a escala Scoville apresentada acima será bem útil para suas experiências. Não se esqueça de deixar um paninho molhado no leite por perto pra esfregar nos olhos caso de uma coceirinha no olho, experiência própria. vai por mim.