2016 foi um ano muito difícil para todos nós. Mas vamos fazer de 2017 um ano incrível! Conheça os votos dos bartenders para esse ano que se inicia!

2016 está chegando ao fim e é hora de refletirmos sobre o que fizemos, por onde passamos e o que pudermos aprender nessa jornada.

Não foi um ano dos mais fáceis, é verdade, tivemos instabilidade política e financeira, aumento dos impostos em bebidas alcoólicas, aumento dos impostos em bebidas importadas, entre outras questões, mas temos muito a comemorar!

Convidamos cinco bartenders para dividir conosco seus melhores votos para o ano que vem, confira!

Jean Ponce, bartender e sócio do Guarita, aberto este ano em São Paulo, espera que acima de tudo, “2017 seja um ano de muita paz, porque com paz temos tranquilidade para desenvolver um grande trabalho.” Jean também espera que os bartenders “possam olhar mais para o Brasil e sua riqueza de ingredientes para poder fazer trabalhos mais autorais“. De acordo com Jean, a comunidade precisa de comprometimento, honestidade, menos interesses pessoais e mais coletivos.

Laércio Zulu, bartender e consultor do Raiz Círculos Etílicos, aberto este ano em São Paulo e gestor do Grupo São Bento, entende que o ano de 2016 não foi fácil para os bares do país inteiro, mas em contra partida, “o segundo semestre trouxe muitas surpresas positivas para o mercado de bares. Bares com uma proposta de coquetelaria mais real, preços mais acessível, com menos firulas estão se tornando mais comum e isso é bom”.

Zulu deseja muito axé para todos, com mais união e compartilhamento. Que em 2017 as pessoas vejam a coquetelaria e o consumo de drinques como algo do bar, não algo esporádico ou especial de um ou dois bares no país.

Tai Barbin, ex Bar D’Hotel e prestes a voltar aos balcões cariocas no início do ano, deseja que em 2017 “mais bartenders continuem abrindo seus próprios bares pois isso por é uma grande transformação nos bares. Tornar o bartender um gestor também é fazer com que os preços se tornem mais acessíveis e com maior qualidade, menos taças absurdamente caras, mais cuidado com a eficiência dos custos, além de desmistificar a a coquetelaria do público geral e que ela se torne mais acessível aos clientes.”

Tiago Santos, bartender do Gilboa, em Belo Horizonte, deseja que: “cada um, eu incluído nisso comecemos fazendo nossa parte, todos os dias. Valorizando as pequenas coisas, reclamando menos, agindo mais, tendo paciência e ética. Transformando as relações entre todos nós dia dia, com mais sabedoria, tolerância, humildade e principalmente empatia. Só assim poderemos ser gratos pelo momento que vivemos, para poder aprender com eles”. 

Marquinhos Felix, chefe de bar do Bar. e atual campeão do World Class Diageo 2016 realizado no Brasil, espera que 2017 “seja um ano de novas experiências e muita união entre todos da comunidade de bartenders e da indústria de bebidas”. Felix tem certeza que 2016 foi demais, porém 2017 será melhor ainda!

Marco De la Roche, editor chefe do Mixology News, entende que 2016 foi um ano de olharmos para dentro, descobrirmos uma força de renovação capaz de transformar cada um em um catalisador de boas ações, emoções e sentimentos.

De la Roche deseja que cada um tenha a coragem necessária para transbordar amor, verdade e compaixão em todas as relações todos os dias. Só assim daremos a volta por cima neste ciclo de desconfiança espiritual e amorosa que circula pelo planeta.

E QUE VENHA ESSE TÃO ESPERADO 2017!