Conheça a história dos licores, das bruxas às grandes marcas

Licor, do latim liquifacere, significa dissolver ou liquefazer. A história dos licores é mais complexa do que você pode imaginar. Como definir um licor? Pode ser definido como uma bebida alcoólica, adocicada e aromatizada por substâncias vegetais, entre elas frutas, flores, sementes, ervas e extratos, através de um processo de maceração (descanso) por tempo indeterminado. Simples assim.

Tente imaginar um bar deste planeta que não possua nenhuma garrafa de licor. É uma missão quase que impossível, certo? O licor está mais enraizado na cultura de drinques do que imaginamos. Por exemplo, uma simples pesquisa nos drinques clássicos da Associação Internacional de Bartenders nos faz perceber que, atualmente, metade dos drinques clássicos da coquetelaria levam licores na sua composição. E a tendência é que esse número aumente nos próximos anos.bruxas.MNDuas lendas ilustram bem o nascimento da bebida.

A primeira conta que no início da feitiçaria, lá por volta de 200 a 300 depois de Cristo, as primeiras bruxas européias preparavam uma poção que misturava frutas, ervas, flores, especiarias e outros ingredientes mais incomuns com propriedades misteriosas que uniam os casais de amantes que a consumiam.

A segunda história tem um pezinho na primeira. Uma jovem, após tentar reconquistar de todas as formas o seu amor, teria preparado uma bebida afrodisíaca e adocicada a partir da maceração (nome técnico para o que chamamos de infusão) de frutas e ervas. Bom, que toda bebida tem a sua lenda a gente já sabe, mas, baseando-se nessas histórias é possível entender que o mais provável é que os licores tenham surgido nas caldeiradas caseiras, com propósitos medicinais, que os povos antigos faziam para se curar dos mais diversos males.

Tudo mudou quando, no século X, os árabes conseguiram obter álcool a partir da destilação e fermentação. A partir desse momento, o álcool passou a ser empregado nas bebidas medicinais que eram preparadas como remédios ou simplesmente tônicos. Já em 1250, o alquimista catalão Arnould Villeneuve conseguiu extrair os princípios aromáticos das ervas através da maceração no álcool, conservando todas as propriedades e essências dos ingredientes. E o licor moderno, como o conhecemos, foi então criado.

Arnould ainda ajudou a disseminar a cultura do licor ao acrescentar ouro em uma receita, e de acordo com relatos essa receita teria curado o Papa da época de uma doença mortal. Por volta de 1500 a produção artesanal de licores já estava bem desenvolvida, com várias “casas” preparando suas próprias receitas, quando o holandês Lucas Bols, em 1575, teve a visão de construir a primeira e até hoje mais antiga destilaria de licores do mundo, fundando a Bols Royal Distilleries, em Amsterdã, capital holandesa.recipe_spreadO grande diferencial de Lucas Bols era que, através do tradicional porto da cidade, Amsterdã tinha se tornado a grande porta de entrada das especiarias orientais na Europa. O alquimista pôde selecionar rigorosamente ervas, especiarias, frutos exóticos, raízes de todos os lugares em que os comerciantes holandeses já haviam pisado. E então estava criada a primeira e tradicional receita de Bols, como o histórico livro acima ainda nos mostra. Se você quiser ver o livro de receitas ao vivo, visite o Museu de Bols na Holanda. Atualmente, Bols é uma das marcas de licores mais bem sucedidas do mundo, entregando aproximadamente 40 sabores de licores em aproximadamente 110 países.